Demanda por cursos de filosofia e ciências sociais despenca no país

Motivos incluem fim da obrigatoriedade das matérias no ensino médio e estereótipo negativo de humanas

Dante Ferrasoli
São Paulo

Cada vez menos gente tem interesse em cursar ciências sociais e filosofia no Brasil. O total de ingressantes nesses dois cursos cai desde o RUF (Ranking Universitário Folha) de 2014.

De acordo com especialistas, esse cenário pode ser explicado por uma mudança no perfil dos universitários, pela disseminação na sociedade de uma opinião negativa sobre as carreiras e pela reforma do ensino médio, que tirou a obrigatoriedade do estudo dessas áreas por todos os alunos.

“O novo estudante vem de uma família com menos recursos e tem uma expectativa mais pragmática em relação à graduação. Quer um diploma que lhe permita disputar espaço no mercado de trabalho”, afirma Elizabeth Balbachevsky, professora do departamento de ciência política da USP.

Ela lembra que as áreas nunca tiveram um perfil profissional muito bem definido, à exceção de um período durante o qual as carreiras se beneficiaram de uma expectativa de formação de professores, já que aulas dessas disciplinas foram obrigatórias no ensino médio entre 2009 e 2017.

Coordenador do curso de ciências sociais na Unicamp, Frederico Almeida concorda com a hipótese de Balbachevsky. Segundo ele, as licenciaturas sempre foram cursos que atraíram alunos mais pobres, e a democratização do ensino superior pode ter aberto a possibilidade para que esses estudantes buscassem outros caminhos.

Cerca de 60% dos alunos de ciências sociais na universidade optam por cursar a licenciatura. Parte dos 40% restantes, que só querem fazer o bacharelado, acaba voltando à faculdade para concluir as disciplinas necessárias e sair também com o diploma que permite dar aulas.

Almeida aponta, então, para a recente reforma do ensino médio como possível responsável pela diminuição de interesse dos graduandos por ciências sociais, embora essa queda na demanda ainda não seja observada especificamente na Unicamp.

“A reforma diminuiu o espaço da sociologia e da filosofia no ensino médio. Isso acaba afetando as possibilidades profissionais de quem quer fazer os cursos. A gente tem alunos já matriculados refazendo seus planos e migrando de graduação —então estamos de olho nessa tendência de redução”, afirma.

Já para o ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro, que é formado em filosofia, as áreas têm sofrido um ataque nos últimos anos. 

“Não só o governo atual, mas o anterior também desprezava essas carreiras. Elas são estereotipadas. Há uma campanha para que as pessoas pensem que não são cursos sérios, que são ideológicos. Com isso, fica difícil que sejam valorizados pelos ingressantes”, afirma ele.

Como resultado da queda de procura, os cursos de filosofia e ciências sociais não foram avaliados nesta edição do RUF. Nenhum dos dois ficou entre as 40 carreiras com mais ingressantes, que é o critério para aparecer na lista desde 2014. Neste ano, a base foi o Censo do Ensino Superior de 2017. 

É a primeira vez, desde 2014, que as duas graduações ficam de fora do ranking simultaneamente. Filosofia não havia aparecido na lista nas edições de 2015 e 2016; ciências sociais não havia entrado em 2017 e 2018. 

A queda percentual no número de ingressantes da edição do RUF de 2014 para a de 2019 foi de 47% em ciências sociais (de 9.826 para 5.169 alunos) e 20% em filosofia (de 6.469 para 5.174 estudantes).

Relacionadas